Melhor rezar do que frear – Você precisa assistir isso hoje

Hoje vamos falar sobre um documentário feito por um grupo de alunos do curso superior de Áudio Visual da ECA (Escola de Comunicação e Artes) USP (Universidade de São Paulo). O vídeo foi postado no Vimeo há 8 anos, no dia 27 de Janeiro de 2009 por Antonio Linhares, um dos alunos do grupo, que se intitulam DOC4.

Os membros do grupo são Gustavo Chiappetta (produção), Angelo Ravazi (direção), Lucas Keese (direção), Arthur Warren (roteiro), Antonio Linhares (montagem) e Fabio Cardelli (som).

Juntos eles filmaram o cenário dos rachas em São Paulo, tomando como base a visão do personagem Diogo, um praticante de rachas.

No documentário vemos as diferenças e semelhanças destes 8 anos passados. A fiscalização aumentou, algumas das ruas já não são mais pontos de corridas, mas os paulistas, e nisso podemos incluir o país todo, ainda não possuem lugares adequados e com preços baixos para tirar os corredores das ruas e levar eles para as pistas. Há ainda um trecho onde um dos personagens compara o preço para andar em Interlagos, provando que o custo não era barato mesmo há 8 anos. Com isso os rachas de rua ainda são e continuarão a ser presentes por muito tempo. Junto com tudo isso o nível de potência e preparação dos carros ficou muito mais avançada, a quantidade de carros cresceu e hoje esta atividade se tornou ainda mais perigosa.

Seu objetivo não foi mostrar os rachas como um crime e seus praticantes como criminosos e sim a paixão pelos carros e pela adrenalina, trazendo com excelência esta linha tênue entre o crime e a paixão.

Infelizmente, assistindo o documentário 8 anos depois, fico triste em ver que nossos governantes se preocupam apenas em criminalizar as pessoas e ganhar dinheiro em cima delas com a colocação de radares, mas ainda não conseguiram perceber que, não importa a dificuldade, a nossa paixão por carros nunca vai acabar e vários continuaram correndo nas ruas até que uma solução real seja criada para levar as pessoas para pista.

Isso vale de recado também para a CBA, que deveria promover o automobilismo no país mas só está presente para dificultar a vida de quem pretende, quer viver ou apenas se divertir com ele.

“Melhor rezar do que frear” se tornou um clássico cult dos curtas nacionais e, infelizmente, ainda é bastante atual. Aproveite e veja uma cena extra do documentário encontrada no YouTube: