O GP de Thomas

Hoje, antes da crônica sobre o último GP da F1, preciso falar sobre o grande protagonista da corrida, e ele não foi Hamilton, Vettel, Alonso ou qualquer outro piloto do grid. O grande nome da corrida foi Thomas, um garoto francês de 6 anos, louco pela F1 e fanático pela Ferrari.

O garoto ficou famoso quando Raikkonen, logo na largada, foi abalroado por Bottas e acabou batendo em Verstappen, o ferrarista e o rubro taurino acabaram fora da disputa e o diretor de transmissão, ao perceber o estado do garoto em meio as arquibancadas, logo tratou de mostrar ao mundo a tristeza dele ao ver um ídolo e piloto do seu time do coração tendo que deixar a corrida tão cedo. E o melhor de tudo foi quando Vettel, numa linda manobra, conseguiu ultrapassar Bottas e assumir a liderança da corrida, lá estava Thomas, novamente eufórico, comemorando pelo seu time.

A Fórmula 1 hoje nos fez esquecer, nem que por alguns segundos, a corrida. Nos fez sentir pena do garoto chorando e também alegria ao ver que ele estava bem e o melhor de tudo, a F1 se mostrou humana, pois a Ferrari logo tratou de ir atrás da família para poder realizar um sonho que o garotinho talvez jamais esperasse. Poder conhecer Raikkonen de perto, ganhar boné, autógrafos e tudo o que tinha direito, pois neste dia, o importante não foi a corrida, o importante foi Thomas, o importante foi a paixão por este esporte.

18527450_1671704843139322_6867148905793478790_o
Não podíamos perder essa

Todos criticam a F1 por deixar os fãs de lado e os novos donos querem mudar isso. Pelo visto eles já conseguiram muito bem, hoje temos vários vídeos de corridas antigas no Youtube, Facebook, uma maior interação das equipes e da própria organização durante todo o final de semana, e o que a F1 fez por Thomas hoje jamais poderá ser esquecido.

Thomas nos mostrou que ainda dá para torcer na F1, que ainda podemos ser apaixonados por este esporte, suas lágrimas e sua alegria mostraram ao mundo que a F1 ainda é apaixonante, a Ferrari mostrou ao mundo que não é aquela equipe tão arrogante e Raikkonen, mesmo sendo conhecido como homem de gelo, neste domingo esteve mais para super herói do que o cara fechado que sempre foi (ele até sorriu).

Então é isso, meus amigos, talvez todos precisemos ser ou ter um pouco deste garoto dentro de nós e começar a enxergar a F1 com outros olhos, com os olhos de Thomas.