Está cada dia mais difícil ter prazer em dirigir

Esses dias fui para um encontro do Amigos GearHeads que ocorreu em São Paulo. O encontro foi bacana, reunimos a galera de sempre e conversamos bastante, mas eu não moro em São Paulo capital, moro a pouco mais de 20 km e sempre que preciso ir para essa região acabo tendo que dirigir com atenção redobrada e não, não é só pelo trânsito em si, já que a maioria das vezes que vou é final de semana, o pior de tudo mesmo é a quantidade de radares que aumenta a cada dia que passa.
Não quero aqui abrir uma discussão do que é certo ou errado, quero na verdade fazer um desabafo de que, a cada dia que passa, fica mais difícil você sentir prazer em dirigir ou até mesmo poder usufruir do caminho, pois tem que estar sempre atento aos limites, aos radares, nos carros ao redor e assim se sente tão pressionado que uma viagem do ponto A ao ponto B acaba te estressando mais do que deveria, e aquele momento de prazer acaba não existindo mais.
Tudo bem que o certo é andar no limite da via, mas o problema é que as vezes, por um descuido, você acaba tomando uma multa inesperada, pois aquela via que você está andando a 50 km/h tem um radar escondido e uma placa num local tão ruim que você não viu que a velocidade máxima permitida era de 40 km/h. Quando se dá conta já passou pelo radar, tomou a multa e toda a diversão daquele dia foi embora, porque a partir de então você só vai pensar naquela multa e esperar “ansiosamente” a chegada dela. Isso é algo que desanima não só o entusiasta GearHead mas também qualquer motorista comum que está sempre atento ao seu redor, dirige tranquilo e, as vezes, nunca tomou uma multa na vida. Mesmo assim, ele também acaba caindo nessa armadilha e esse é o problema.
Como já dissemos uma vez, a culpa dos mortes e acidentes no transito não é apenas a velocidade, mas são vários outros fatores que o governo não se preocupa em fiscalizar. Eles querem apenas saber de punir o motorista que anda acima do limite da via, e colocam cada dia mais e mais radares afim de culpabilizar apenas os motoristas que “correm”, mas esquecem dos motoristas que mudam de faixa sem dar seta, saem costurando o trânsito, andam 100% acima do limite da via e quando chega no radar é só frear e reduzir ao limite, fora várias outras infrações cometidas que jamais serão punidas, pois não há fiscalização correta. Custa caro manter um agente de trânsito na rua para punir estes motoristas, mas com um radar tudo fica mais fácil, não há custo, apenas retorno.
Ser um GearHead está cada dia mais chato e difícil, curtir uma estrada e ter o prazer de dirigir está cada dia mais raro. Somos pressionados a todo momento a nos ater dentro do limite, prestando atenção nos radares que aparecem a cada 500 metros e, dessa maneira, não sobra mais nada a fazer além do ato de dirigir. Começo a pensar cada dia mais que os carros autônomos serão mesmo o melhor para humanidade, pois o prazer de dirigir no dia-a-dia vai sumindo, a vontade de ligar o carro para dar uma volta diminui, a pressão ao dirigir só aumenta e conduzir acaba se tornando um martírio.