Este McLaren F1 GTR Longtail é um carro de corrida que pode rodar nas ruas!

Neste fim de semana, enquanto eu jogava PS3 zapeava pelo YouTube, vi um McLaren F1 GTR LT roadlegal, isto é, ele pode rodar nas ruas. O F1 corria em Spa, mas isso era só um detalhe. Trata-se de uma daquelas pérolas do automobilismo que, quando saem da toca, causam um rebuliço na internet. É tanto que antes de falar sobre esse modelo em específico, falarei sobre a história do F1 e vocês entenderão o quão raro é um F1 GTR LT.

F1
O McLaren F1

O McLaren F1 é um dos esportivos mais icônicos de todos os tempos. Pensado cuidadosamente para ser o supercarro definitivo, Gordon Murray, o projetista da F1, foi bem específico em cada detalhe, até mesmo no comprimento do bloco.

F1 portas abertas
As portas asa-de-gaivota fecham o pacote estético

O motor, que seria fornecido pela Honda, deveria ter 558 cv, 258 kg e 60 cm de comprimento, mas a marca nipônica decidiu não participar do projeto pois não seria bom para o seu marketing.

F1 motor
Materiais nobres, como fibra de carbono e ouro, fazem parte do cofre do motor

Bom para a BMW que com a ajuda de Paul Rosche, o cara que fez aquele quatro-cilindros turbinado de 1.420 cv, apresentou o S70/2, um V12 com duplo VANOS, lubrificação por cárter seco, tuchos mecânicos, corpos de borboleta individuais, 627 cv a 7.400 rpm, 266 kg e com o mesmo comprimento no bloco. Um aumento de 16 kg na massa, que acreditamos ser compensável pelos 69 cavalos a mais.

F1 banco do meio
Sim, o motorista vai no meio, tudo para equilibrar melhor o centro de massa

Fecham o pacote um belo câmbio manual de 6 marchas, aerodinâmica primorosa, tração traseira e mais algumas coisas que se eu fosse falar tudo aqui esse post não teria fim. Mas tudo pode ser resumido em três frases: 3,2 segundos para chegar aos 100 km/h. 391 km/h de velocidade final com o limitador removido. Juntando tudo isso, temos o carro mais rápido do mundo até a chegada do Bugatti Veyron. Na verdade, a F1 ainda é o carro de produção com motorização aspirada mais rápido do mundo.

F1 Interior
Repare nos dois retrovisores

Gordon foi tão chato (isso é bom) com sua obra que não queria sequer ver seu carro modificado para correr em circuitos (isso é ruim). A F1 deveria ser um carro confortável para a semana e um demônio para as pistas no fim de semana, como veio de fábrica. Não foi o que aconteceu e, graças à pressão de algumas equipes independentes, a McLaren fez a F1 GTR em 1995.

F1 GTR 95 Paul Ricard
O F1 GTR de 1995 correndo em Paul Ricard

Uma categoria nova, a BPR Global GT, havia sido lançada pela FIA em 1994 para versões mais radicais de grandes esportivos. Era a oportunidade para saber como o superesportivo mais rápido até o momento se comportaria com alívio de peso. Com as restrições do regulamento, o F1 GTR rendia apenas 604 cv a 6.500 rpm ao receber uma restrição nos coletores de admissão. Devido ao conjunto superdimensionado, a transmissão permanecia idêntica ao modelo de rua. E foi com essa voracidade que o carro venceu em 1995 e em 1996, não dando chance aos concorrentes (e deve ter sido por isso que a categoria acabou em 96, não tinha graça competir com a McLaren). O resultado foi tão bom que o F1 GTR venceu as 24 Horas de Le Mans em 95 e ainda emplacou mais outros 4 carros na bandeirada final.

F1 GTR 96 Brands Hatch
O F1 GTR de 1996 correndo em Brands Hatch. Até aí, pouca ou nenhuma mudança estética.

Em 1996 as novidades vieram, mas sem grandes alardes. A caixa de marcha mudou para uma sequencial de 6 marchas da XTRAC, por possuir capa em magnésio, proporcionando um conjunto mais leve. O carro, em essência, permanecia semelhante ao modelo de produção. As mudanças radicais viriam mesmo em 1997.

F1 GTR 97 Longtail
O F1 GTR LT, feito exclusivamente em 1997: aqui as coisas ficam ainda mais sérias.

Em 97 a FIA transformou a BPR Global GT em FIA GT1, trazendo regras diferentes. As fabricantes poderiam usar protótipos a partir de agora, desde que produzissem 25 veículos para uso nas ruas. Com o surgimento de caras como o Mercedes-Benz CLK GTR e o Porsche 911 GT1 (que não é bem um 911 mas isso é só um detalhe), a McLaren precisava se mexer para continuar competitiva. Surgiu então o F1 GTR Longtail, ou LT para os íntimos.

Além da gaiola de proteção, da asa traseira regulável e dos freios de cerâmica já vistos no GTR de 95 e 96, a versão Longtail recebia dianteira e traseira completamente novas e maiores que o modelo original. Com isso tivemos um protótipo 64 cm maior, com o mesmo entre-eixos do modelo anterior (lembrando que o monocoque original em fibra de carbono permanecia idêntico ao modelo de rua).

F1 GTR interior
O interior da versão de corrida abria mão do acabamento mais luxuoso

Os para-lamas também foram alargados para receber pneus maiores, tudo para garantir mais aderência ao modelo, mas a grande diferença ficou por conta da massa. O F1 normal pesa 1.138 kg, o GTR 1.050 kg e o LT conseguiu chegar aos 915 kg, uma redução de 223 kg se comparado ao modelo original!

Foram 9 modelos fabricados com as especificações de 1995, 9 com as mudanças de 1996 e 10 do modelo Longtail de 1997. Por serem carros de corrida, uma visão desses veículos nas ruas já seria algo totalmente fora do normal (ver uma F1 de rua já é algo de outro mundo, imagine aí). Mas e se eu te disser que existe um GTR Longtail legalizado para as ruas inglesas?

O carro do vídeo acima é um protótipo que serviu de base para a produção do F1 GTR LT. A descrição do vídeo indica que o esportivo possui 900 cv, mas não conseguimos acreditar nessa afirmação: a menos que o carro esteja turbinado (e seguiremos pela hipótese de que ele não está), seria praticamente impossível extrair tanta potência de um conjunto aspirado. E até mesmo para um dono muito abastado, seria necessário muito culhão para mexer num carro desses.

F1 GTR LT Goodwood 2014
Detalhe para o “Powered by BMW”

A história nos conta que o dono, inglês, comprou este protótipo e o equipou para rodar nas estradas do Reino Unido. Ao que parece, para rodar na terra da rainha basta colocar faróis e setas no seu carro que está tudo tranquilo. Mas se você reparar bem, está tudo lá. Os retrovisores, faróis, piscas, para-choques, está tudo aparentemente no lugar.

F1 GTR LT
Já imaginou ver essa frente no retrovisor?

As filmagens ocorreram no Spa-Classics deste ano, no circuito de Spa-Francorchamps (ah vá), mas o dono não parece nem um pouco interessado em extrair o máximo do carro. Também pudera, ele está a bordo de uma das maiores lendas do automobilismo mundial.