O Principado é sempre especial – Pitacos F1

O texto estava praticamente pronto até metade da corrida, estava finalizando mais alguns detalhes e somente esperando o final para poder ter a certeza das colocações, aí Button vem e bate em Wherlein e a partir daí tudo começa a mudar. Até então as alterações seriam pequenas, mas aconteceu tanta coisa nas últimas voltas (até um rato invadiu minha casa querendo assistir) que aí tive que mudar todo o texto. Isso, meus amigos, é Mônaco: por mais que um resultado possa estar praticamente definido, tudo pode acontecer e suas apostas podem ir por água abaixo.

As corridas em Mônaco nem sempre são cheias de emoção e é bem difícil ter grandes batalhas por posição, mas há uma áurea especial neste circuito que torna bem difícil deixar a corrida monótona. Mônaco tem algo especial, geralmente algum recorde a ser quebrado, o fato do circuito ser extremamente estreito, até mesmo a dificuldade por ultrapassagens, o fato de saber que qualquer erro pode ser fatal, nos faz esperar algum piloto errando em alguma curva. As apostas de quem irá vencer sempre vêm acompanhadas de em qual volta teremos safety-car ou em qual volta o piloto tal irá bater, isso é Mônaco e isso é muito legal.

A esperança de vermos uma batalha entre Ferrari e Mercedes já foi quando na qualificação Hamilton não passou ao Q3 e largou na décima segunda posição, as Ferraris dominaram a primeira fila. Sendo assim, era esperado ver as Ferraris dominando a corrida, restava saber apenas se a Ferrari iria fazer algum jogo de equipe ou não para que Vettel vencesse já que Raikkonen largou na primeira posição (depois de 9 anos sem marcar uma pole). E apesar de um tanto quanto monótona a corrida foi bonita de assistir e ver a Ferrari vencer depois de um jejum de 16 anos foi muito bacana.

Vettel foi o grande campeão, conseguiu quebrar um jejum de 16 anos da Ferrari sem vitórias em Mônaco (que também foi em uma dobradinha com Schumacher em primeiro e Barrichello em segundo) e apesar do pequeno jogo de equipe foi uma vitória fenomenal e fabulosa. O alemão pilotou como nunca e quando Raikkonen parou nos boxes aproveitou para dar o máximo que o carro tinha para abrir uma larga vantagem em cima do companheiro de equipe. Raikkonen ficou um sabor amargo na boca, ele que não fazia uma pole desde 2008 deu o máximo que podia para vencer, porém um erro no pit-stop e um Vettel com muita sede pela vitória acabaram minando suas chances. Pelo menos foi muito bonito quando o ex-RBR chamou sua equipe no rádio para saber se estava tudo bem com Wherlein logo após o acidente.

Em terceiro Ricciardo fez uma bela corrida e estava na saga para terminar a frente de Verstappen, retardou sua parada ao máximo e fez volta mais rápida atrás de volta mais rápida para conseguir terminar a frente de Verstappen e do Bottas e conseguiu terminar a frente de ambos, um resultado excepcional para quem no ano passado acabou com uma vitória perdida. Verstappen ficou putinho, xingou muito twitter por ter perdido a posição para Ricciardo e não conseguiu ultrapassar Bottas, terminando apenas na quinta posição.

Bottas terminou na quarta posição fazendo apenas o feijão com arroz, não colocou um tempero a mais na corrida e o único momento em que conseguiu reduzir a diferença para a Ferrari foi quando estavam presos no tráfego dos retardatários. Já Hamilton apareceu pouco na transmissão, arriscaram uma estratégia diferente para poder salvar uns pontos a mais, acabou terminando na sétima posição sem conseguir fazer muita coisa, esperou todo mundo a sua frente parar e dificilmente conseguiria algo melhor.

Em sexto Sainz fez o melhor que pode com a Toro Rosso, salva um resultado excepcional para o time que não tinha muitas pretensões para esta corrida. Kvyat vinha bem no final da corrida, ia salvar alguns pontos também até que Perez num momento Maldonado resolveu tentar passar todo mundo e acabou se prejudicando e prejudicando também o russo.

Em oitavo Grosjean salvou o melhor que pode para a equipe, com Magnussen em décimo depois dos vários incidentes no final da corrida. O time americano sai de Mônaco com um ótimo resultado um tanto quanto não esperado.

Massa termina em nono após uma corrida conturbada e estar andando sempre na parte de trás do pelotão. O resultado foi mais por sorte do que pelo desempenho. A Williams em nenhum momento da corrida teve alguma chance de pontuar e, no meio dos enroscos e trapalhadas de Perez, conseguiu salvar a nona posição. Stroll acabou com as apostas de 99% dos espectadores que assistiam a corrida, todos estavam apostando em que volta o canadense bateria e todo mundo errou, o jovem piloto não bateu, porém não terminou a corrida, abandonando com problemas em seu carro.

Eu não costumo falar dos que não pontuam, porém esta corrida merece mais algumas palavras, começo falando de Perez e me pergunto que merda ele tava na cabeça nas voltas finais? Logo na re-largada após o incidente entre Button e Wherlein ele me coloca por dentro de Vandoorne (que pontuaria pela primeira vez no ano para a McLaren) que não consegue fazer a primeira curva e acaba batendo, entra o safety-car novamente, limpam a pista e temos nova relargada. Pouco depois Perez novamente se envolve com Kvyat num movimento completamente afoito e desnecessário, ambos batem, o russo tem que abandonar e Perez tem que parar novamente para trocar os pneus, de tudo isto restou a ele somente entrar para a história com o novo recorde da pista, o de maior quantidade de acidentes envolvidos num único GP.

Quem merece um parágrafo a parte também é Button. Pouco antes da largada Alonso falou com ele ao vivo por telefone e disse para o inglês: “Cuide bem do meu carro” que logo respondeu com: “Pode deixar, eu vou fazer xixi no seu banco”, um momento muito bacana que Button estragou ao bater em Wherlein na curva que antecede ao túnel, uma manobra um tanto quanto de principiante que acabou prejudicando duramente ambos. Wherlein capotou e parou com o carro de lado grudado no muro e Button estourou sua suspensão.

Não podemos dizer que a corrida no principado foi maravilhosa e completamente emocionante, porém nos propiciou alguns momentos bacanas. O campeonato segue aberto com Vettel conseguindo abrir certa vantagem na liderança e pela primeira vez no mundial a Ferrari assume a ponta da tabela de construtores.

Imagens por Motorsport.com