Este Astra belga é mais rápido que um Nissan GT-R

Carros de arrancada são a maior definição de ignorância sobre rodas. Através de modelos que, as vezes, não guardam quase nada do monobloco original, vemos verdadeiras disputas entre Davis e Golias em 402 metros. O post de hoje é dedicado à um Davi que derrotou diversos Golias, sem reclamar.

astra
O Astra quando nos deixou em 2011

O Astra é um velho conhecido dos brasileiros. Trazido para nós em 1998 na carroceria G, sofreu uma reestilização em 2003 e foi vendido até 2011 sem grandes modificações.

body-variants-of-the-c29291-opel-astra-f
O Astra F, trazido pra nós em 1994 exceto na versão sedã

O que poucos sabem é que, em 1994, Astra F foi vendido por aqui nas versões hatch e perua. Por ser importado da Bélgica, o pequeno Astra ficou conhecido como Astra belga (justo, não?) e hoje é um carro bem barato de se encontrar por aí, com sua mecânica velha conhecida dos brasileiros. Mas lá fora a situação era diferente, com versões esportivas aspiradas e até turbinadas.

O carro mostrado aqui hoje é um swap usando peças da casa: trata-se de um Astra F, mas na versão sedã, com tração nas quatro rodas e motor V6 ECOTEC de 3,2 litros e um turbocompressor para apimentar a relação. O sedã compacto alemão simplesmente destruiu todos os competidores. Não teve pra Nissan Skyline GT-R R33, VW Golf 7 R, Audi RS3 ou até mesmo o todo poderoso Nissan GT-R R35.

9153032s-960
O bloco do Y32SE. Perceba como ele é compacto mas, ainda assim, utiliza dois cabeçotes, ao contrário do VR6

Os seis cilindros em V são posicionados numa angulação pouco usual de 54º. Essa família de propulsores surgiu como 2.5 e terminou a vida como 3.2, este último chamado de Y32SE. Foi usado no Omega B alemão (que, como explicamos aqui, é diferente do Omega B nacional/australiano), no Cadillac CTS e no Vectra C, produzindo 223 cv a 6.000 rpm e 30,2 kgfm a 3.400 rpm. Mas é lógico que não estamos falando de um carro original.

Astra F AWD Turbo
As rodas BBS e o stance matador contribuem para o visual malvado

O Astra citado possui ainda um sistema tração integral, provavelmente vindo do Calibra/Vectra para suportar tamanho torque, e ainda usa uma turbina para chegar aos mais de 600 cv. O torque não é especificado, mas com certeza é avassalador! A grande pergunta é: como se comportaria um carro desses num circuito travado?