O novo projeto da Ariel é um super-carro elétrico de quase 1.200 cv!

A Ariel é uma fabricante inglesa bastante conhecida por seguir a filosofia de Colin Chapman. O Nomad e o Atom são exemplos disso, dois esportivos de chassi tubular, sem qualquer amenidade ou assistência ao volante, apenas a pura e simples condução. Com peso na casa dos 500 kg um Atom ou um Nomad conseguem andar junto de supercarros com o dobro e até o triplo da potência. Mas parece que isso está prestes a mudar.

ariel-hipercar-front3qtr2
O esqueleto já diz a que veio

O mais novo projeto da marca chama-se HIPERCAR (High Performance Carbon Reduction) e vai de contra a tudo o que vimos até hoje. Ele será fechado, pesado, com opções de tração integral ou traseira e elétrico! Se as reações rápidas do Ariel Atom já assustam pilotos pouco experientes, imaginem agora com o torque instantâneo das usinas elétricas. Sim, usinas, porque serão mais de uma.

2017_ariel-hipercar_4_925x520_acf_cropped
Os motores elétricos serão aliados a uma micro turbina

Previsto para 2020, o HIPERCAR terá um motor de 299 cv e 45,9 kgfm por roda. Logo, a versão com tração apenas nos pneus de trás terá 598 cv e 91,8 kgfm e o modelo AWD oferecerá estúpidos 1.196 cv e 183,6 kgfm! A alimentação é garantida por um conjunto de baterias de 42 (para o modelo de tração em duas rodas) ou 56 kWh (para o modelo de tração integral) e não para por aí: uma micro turbina de 48 cv a gasolina faz parte do pacote, de modo a aumentar a autonomia do conjunto elétrico. Será possível rodar de 160 a 190 km sob condução esportiva antes da turbina entrar em ação.

ariel-hipercar-topview2_sh_-1200x800
Será o Ariel mais pesado de todos os tempos

Todo esse fôlego garantirá um desempenho sem igual. O 0 a 100 km/h será cumprido em apenas 2,4 segundos, perdendo apenas para o Dodge Demon. Até 160 km/h serão gastos apenas 3,8 segundos, até 240, meros 7,8 segundos. E a velocidade final, como manda a tradição dos Ariel, é limitada se comparada ao potencial do conjunto do carro, parando aos 257 km/h.

O sub-chassi e o monocoque são de alumínio, as rodas são em compósito de fibra de carbono e a carroceria deverá adotar o mesmo material das rodas. Os dois lugares estarão envoltos por portas no estilo asa de gaivota, ao contrário dos Ariel apresentados até então. Os calçados serão de 265/35 R20 na frente e 325/30 R21 atrás.

ariel-hipercar-56
A estrutura é projetada pela Ariel

Os motores, a caixa de marcha e a eletrônica associada é desenvolvida pela Equipmake, o sistema de regeneração de energia é assinado pela Delta Motorsport e o chassi é projetado pela Ariel. As três empresas fazem parte do projeto Innovate UK, programa estatal da terra da rainha que garantiu cerca de R$ 8.152.422,61 para o projeto.

Segundo Simon Saunders, CEO da Ariel, “Estamos fazendo o carro inspirador do amanhã usando a nossa agilidade de pequena empresa, antecipando-nos às grandes. Adoramos os Ariel que fazemos agora, mas sabemos que temos de adotar novas tecnologias. Se não, dentro de 20 anos estaremos produzindo antiguidades e até poderemos deixar de existir devido às futuras legislações”. E completa dizendo que “este será o primeiro e verdadeiro supercarro elétrico que atravessará continentes, será conduzido nas ruas e poderá dar voltas em um circuito”. Ambicioso, não?

2017_ariel-hipercar_2
Se o modelo de produção seguir o conceito, será um carro matador

O HIPERCAR será mostrado ao mundo nas duas versões nos dias 6 e 7 de setembro no Low Carbon Vehicle Show, em Millbrook, mas a versão final só surgirá em 2019 com previsão de produção para 2020. O preço? Ainda não sabemos.