A que ponto chegamos: Jaguar apresenta um volante com inteligência artificial

“Oi, o meu nome é ‘Sayer’, eu sou o volante do futuro da Jaguar Land Rover”. É assim que recebi o press-release. E é com muito espanto que li mais sobre o dito cujo. Vou te explicar: o nome Sayer é uma referência à Malcolm Sayer, designer da Jaguar entre 1951 e 1970. E o que faz o volante? Bem, muita coisa. Por utilizar inteligência artificial ativada por comandos de voz, o volante é capaz de realizar centenas de tarefas. E você aí achando que a interface que você colocou no seu Gol G5 fazia muita coisa com os botões do volante.

Sayer-image_7009_Frame_400_01a_R1-copia
Será que é ergonômico?

Apresentado em Londres no dia 7 de setembro durante a Tech Fest, evento de tecnologia promovido pelo grupo inglês, o volante poderá sinalizar a demanda de um sócio a um plano de serviços para ir de um ponto A a um ponto B. Esse clube ou associação ofereceria a possibilidade de um membro ser proprietário de seu próprio veículo ou de compartilhar o veículo dentro de uma mesma comunidade. Ou seja, a única peça que você levaria pra casa seria o volante, já que o carro poderá ser compartilhado e não necessariamente é o seu (isso se você tiver um). E como o volante é inteligente, cada volante teria suas configurações pré-definidas pelo dono.

Sayer 1
Deve ser

Tomando como exemplo, se o cliente precisa estar em um churrasco a cerca de três horas de viagem de sua casa, além dele passar fome, ele pode simplesmente pedir um veículo ao Sayer, do conforto da sua casa, e o volante providenciará um modelo que vai até você de forma autônoma e que te levará ao seu destino. A parte legal é que você poderá dirigir, caso queira. O próprio volante irá te indicar qual a melhor parte do trajeto para isso (que tal, todo o trajeto?).

Sayer 3
E ainda pode ser utilizado como um objeto de decoração. Por sinal, fica muito bem ao lado daqueles auto-falantes Porsche.

A partir daí o céu é o limite. O conceito de compartilhamento de carros cresce com certa timidez, mas essa parece ser uma solução plausível. Lembrando que o grupo Jaguar Land Rover já possui uma iniciativa na área de carros compartilhados, ou seja, o Sayer não é um tiro no escuro.