F1 adere à campanha de prevenção ao câncer de mama

O GP dos Estados Unidos acontece neste final de semana em Austin, Texas, e tem grandes chances de coroar Lewis Hamilton campeão pela quarta vez. Após a vitória no GP do Japão, Hamilton agora vai para os Estados Unidos com uma vantagem de 59 pontos sobre Sebastian Vettel, o que deixa as coisas bem mais difíceis para o alemão. Mas a decisão do campeonato não é a única coisa bacana que veremos neste final de semana.

Para o fim de semana de Austin, os pneus Ultramacios (identificados pela cor roxa) serão cor de rosa. A iniciativa da Pirelli é em parceria com a Susan G. Komen, principal ONG dos Estados Unidos voltada ao combate ao câncer de mama. A organização, fundada em 1982, está presente em 60 países.

Os pneus ultramacios ganharam coloração rosa

Além da já famosa pintura dos carros da Force India (incluindo o capacete dos pilotos), seguindo um acordo de seu patrocinador, em Austin, Sergio Perez e Esteban Ocon exibirão uma fita rosa no bico de seus bólidos (assim como foi em Mônaco, Montreal e Silverstone e será também no México).

A fita rosa é o símbolo da Breast Cancer Care, uma fundação que visa vencer o câncer de mama e cuja mensagem foi adotada pela equipe novamente neste fim de semana para aumentar a consciência máxima. E não é apenas a Força India que estará no rosa durante o fim de semana de Austin, já que todo o comprimento de 5,153 quilômetros do Circuito das Américas será dedicado a esta causa merecedora, tanto que até pintaram a faixa do paddock de rosa.

Outubro é mês de prevenção do câncer de mama, simbolizado por uma fita rosa. Neste mês, milhares de iniciativas de caridade estão organizadas em todo o mundo para aumentar a conscientização pública e o dinheiro que financia pesquisas vitais. Esta pesquisa enfoca um único objetivo: tornar o câncer de mama curável para 100% dos pacientes. De acordo com os últimos números, as taxas de sobrevivência de cinco anos após o diagnóstico aumentaram para 85,5%. Mas ainda há muitas pessoas, sobretudo as mulheres (os homens também possam ser afetados pelo câncer de mama), que recebem esse diagnóstico todos os anos.