Será que o Honda NSX é mais rápido que o Nissan GT-R?

O que acontece se colocarmos um carro de 11 anos atrás e um do ano retrasado numa drag race? É o que tentaremos descobrir no vídeo de hoje, onde o Honda NSX irá peitar o Nissan GT-R. Mas antes de te dar o resultado de mão beijada, falaremos sobre os competidores em questão.

O Honda NSX, também vendido pela Acura

O NSX é o Porsche 918 Spyder mais barato que você pode comprar. Além do motor com cilindros dispostos em V e localizado em posição central-traseira, há dois motores elétricos nas rodas dianteiras e um na traseira entre o cambio e o motor. Mas as primazias tecnológicas do Super Honda não param por aí. Há vetorização de torque no eixo dianteiro e as rodas traseiras podem esterçar em até 1,5º. O pedal de freio não possui ligação física com as rodas, num sistema semelhante ao do acelerador eletrônico que todos nós já conhecemos.

O interior do Honda/Acura NSX

São 507 cv a 6.500 rpm (são 581 no modo combinado) e 56,1 kgfm a 2.000 rpm no V6 VTEC bi-turbo. O motor elétrico traseiro tem 47 cv e serve para fornecer potência enquanto as turbinas não enchem. Na dianteira, cada roda tem um motor de 36 cv. É difícil até imaginar o quão complicado deve ser manter tudo isso em sincronia, pois só o câmbio DCT de 9 marchas não deve dar conta.

O Godzilla recebeu mudanças pontuais, mas já sente o peso da idade

No outro lado da moeda está o veterano GT-R, o Godzilla, o destruidor de carros com até o triplo do seu preço. O motor é o VR38DETT de 6 cilindros em V, 3,8 litros, 572 cv a 6.800 rpm e 64,9 kgfm a 3.300 rpm. O câmbio também é DCT mas aqui existem apenas 6 marchas. Só que enquanto o NSX possui variação no comando de válvulas em ambas as fases, o Nissan conta com o sistema apenas na admissão.

O painel analógico demonstra a idade do projeto

Quando chegou, o sistema ATTESA E-TS (traduzindo para o português “Sistema avançado de engenharia de tração total para todo terreno”) trouxe o que havia de mais moderno em distribuição de tração nas quatro rodas. A tração ATTESA tem uma longa história, surgindo em 1987 com o Nissan Bluebird. Em sua mais recente versão, que equipa o super carro japonês, a tração usa sensores eletrônicos e embreagens acionadas hidraulicamente para determinar com mais precisão a quantidade de tração necessária em cada eixo do veículo, tanto que a eletrônica do carro pode dividir a tração de 2% da força nas rodas da frente e 98% nas rodas de trás até a divisão de 50/50. Mas o peso da idade chegou ao GT-R, que ainda é rápido mas não é mais o benchmark da categoria.

Outro detalhe interessante para ambos os carros é que nenhum dos dois se preocupou em fazer dieta, o GT-R com 1.752 kg e o NSX com 1.725 kg. Sendo assim, vamos ao duelo:

O que acharam do resultado?