VW tira CC e Fusca de linha e diminui preço do Passat

Visando o corte de custos e a agilidade na maquinofatura, a Volkswagen do Brasil está promovendo uma enxugada em sua linha de produtos. Mas enquanto o segmento de hatches ainda mantêm Up!, Gol, Fox, Polo e Golf, no lado premium da empresa as mudanças já começaram.

Um minuto de silêncio para a terceira vez em que o Fusca sai de linha no Brasil

O Fusca saiu de linha e isso já era até esperado. Assim como o Scirocco, o Fusca é um carro de nicho, e carros de nicho são os primeiros a sumir após um período de crise numa fabricante. Porque sim, o dieselgate ainda tem efeitos até hoje.

A saída do CC traz novos ares (haha)

A saída do CC era mais que premeditada. O sedã-cupê da VW já tem sucessor lá fora, o Arteon, então era apenas questão de tempo para que a marca descontinuasse o CC no Brasil. Nada foi comentado sobre a chegada do seu sucessor por aqui.

O Tiguan AllSpace pouco lembra o Tiguan convencional

O restante dos modelos mais caros da marca continua com poucas alterações. O Tiguan continuará em linha mas em breve irá conviver com o Tiguan AllSpace, modelo de 7 lugares feito sobre a plataforma MQB. O novo Jetta, já apresentado em Detroit, tem previsão para desembarcar no Brasil ainda este ano. Já o Touareg tem previsão para receber uma nova geração em 2019 e permanece sendo vendido igual como era antes.

O Passat mudou em 2017 e já está recebendo melhorias

O modelo que já se adiantou foi o Passat. Com uma nova geração apresentada no ano passado, o sedã grande da marca já recebeu mudanças pontuais para se manter competitivo. A mais importante se dá pela nova central multimídia Discovery Pro, que cresceu de 8″ para 9,2″ e recebeu suporte a comandos gestuais. O resto do conjunto permanece inalterado, com painel de instrumentos em tela TFT de 12,3″, ar-condicionado automático de 3 zonas e piloto automático adaptativo com frenagem automática. Ainda assim, o teto solar é opcional e custa R$ 5.370.

A central multimídia ficou ainda maior

Por R$ 164.620 (R$ 13.510 a menos que antes) e mais R$ 5.370 do teto solar você leva um sedã de coeficiente aerodinâmico de 0,28, motor 2.0 turbo de 220 cv a 4.500 rpm e 35,7 kgfm a 1.500 rpm, câmbio DSG-6 banhado a óleo, suspensão independente nas quatro rodas, porta-malas de 586 litros e entre-eixos de 2,79 m. A tração é apenas dianteira, ao contrário do que aconteceu no CC há alguns anos.