Nós estamos na merda

A greve dos caminhoneiros já avança para o sétimo dia no país. E eu não estou aqui para explicar a situação do problema, isso vocês já estão cansados de ver nas redes sociais, nos telejornais e na internet. Estou aqui para explicar porquê esta greve não vai funcionar se durar tão pouco. Sem imagem, sem firula, simples e direto.

O litro dos combustíveis cresceu tanto nessa semana não por causa dos impostos, que já são bastante abusivos. Trata-se da regra extremamente simples: se todo mundo quer comprar combustível, o preço logicamente irá aumentar. Esse é o momento em que o empresário esperto ficará rico. Falo do empresário esperto, não daquele que tentou dar o passo maior que a perna e aumentou o combustível para 10 reais o litro. Esses aí tem que se f*der mesmo. Para os que subiram de acordo com a lei de oferta e demanda de mercado, esses aí estão muito bem. Isso porque o povo continua comprando. O empresário só é esperto porque existem clientes burros.

Se a greve acabar essa semana, os donos de posto terão aumentado sua margem de lucro e voltarão ao preço normal após o reabastecimento dos postos. E pronto, foi como se nada tivesse acontecido. Nos dias em que o combustível esgotar os frentistas são dispensados e aí não há custo em sua folha de pagamento. Nunca se lucrou tanto com combustível nesse país. A greve valeu de nada porque os governantes adotarão medidas paliativas e depois tudo voltará a ser como era antes.

Não há como voltarmos ao patamar dos centavos por litro. Ou um, dois, ou três reais por litro. Não há o que se fazer a não ser aceitar a dura realidade e adaptar-se a ela. Estão sendo tempos difíceis não só para nós, GearHeads, que gostamos de carro, mas para toda a população que precisa do carro. E não estamos passando por um período complicado por causa da falta de abastecimento ocorrida pela manifestação dos caminhoneiros. Não, não é isso. Mas desde que o preço do combustível passou a ser regulado através do barril internacional, ficamos sem saber o que fazer. Porque se num dia a gasolina estava por R$ 4,06 o litro, no outro já tinha subido para R$ 4,39 o litro. Pouco depois chegamos aos R$ 4,59, R$ 4,69 e por aí vai até a p*ut@ria em que estamos hoje. E quem faz a previsão de gastos no início da semana? Era arriscado ficar sem gasolina ou sem dinheiro no fim da semana porque nos cinco dias da semana houve aumento no preço do combustível. Eu vivi pra ver a volta dos preços líquidos dos anos 80 e 90, com suas devidas proporções é claro, quando a inflação atingiu mais de 82% ao ano.

E como fazer para se prevenir dos preços abusivos? Trocar seu possante num carro mais econômico? Será mais caro ou menos divertido. Usar o carro apenas nos fins de semana? Será mais complicado. Deixar de dirigir, fazer tudo a pé ou de bicicleta? Pelo visto é o jeito. Num país onde tirar a CNH A e B custa 4 mil reais, a gasolina já bate os 6 reais, e quando um grupo que resolve se revoltar contra toda essa palhaçada resolve agir eles ainda são taxados de vândalos, baderneiros, vagabundos? Ao menos por enquanto devemos parar de abastecer.

Sinceramente, a gente tem mais é que se f*der mesmo.