Carros da Galera – Conheçam o Citroen C4 de João Paulo

Falaí galera GearHead, hoje estamos postando mais um projeto do Carros da Galera! Além de nos aproximarmos de vocês, isso fará com que todos possam conhecer outros carros, ver diversos pontos de vista em cima do mesmo, despertar aquela paixão escondida meio renegada e até mesmo tirar aquela dúvida final, aquele detalhe que faltava para te animar na compra do veículo!

Lembramos que não queremos apenas os projetos mais absurdos, qualquer um pode participar, o foco aqui é na sua história com seu carro ou outros carros, queremos conhecer nossos leitores também! Hoje traremos para vocês a história do único carro da Citroen em que o vidro traseiro é mais caro que dois carros, isso quando você acha o vidro, aquele carro que parece um ferro de passar, um clássico croissant, um carro que tem design inovador e esportivo, mas anda igual ao sedã de tiozão (Pallas), aquele carro que o dono acha esportivo e mesmo com um 2.0 toma benga de 206 (e depois o dono coloca o C4 a venda). Com vocês a história de João Paulo e seu Citroen C4 VTR.

Diga seu nome, idade, onde mora…aquela apresentação básica para a galera te conhecer!

Sou o João Paulo, sou de São Paulo e como a maioria daqui, entusiasta. Uma grande satisfação foi ingressar para o dinâmico mercado automotivo no último ano da faculdade e já adianto, não basta gostar de carro, tem que se trabalhar com eles!

Qual carro você tem?

Um Citroen C4 VTR 2007.

Ele tem algum apelido?

Tem sim, sempre sou sarcástico na hora de nomear os carros, neste caso, Bombona.

Como você acredita que nasceu esta paixão por carros?

Vem desde pequeno, sempre tive mais carrinhos do que bonecos. Quando era criança eu “ajudava” meus irmãos a lavar os carros do meu pai, secar e passar pretinho. Íamos ao estacionamento onde os carros eram guardados em frente ao nosso prédio e adorava andar entre as vagas, olhar para os carros no fundo, cobertos de poeira e aparentemente abandonados. Lembro de andar nos bancos traseiros do Escort GL 86, acompanhei o trabalho que nunca acabava de tirar o cheiro de cachorro molhado e cigarro daquele carro, do Opala Diplomata Coupe 87 que tinha um ronco assustador, do Gol Mi comprado 0km em 98 que acompanhei a compra com o meu pai, vimos o carro no subsolo da concessionária, tinham vários carros, mas aquele azul marinho com piscas laranja era único. Lembro da BMW Série 3 E36 de uma concessionária que um tio trabalhava (primeiro contato com uma bimmer), ele chegou em casa com ela e quase passei mal…preta, lentes dos retrovisores azuis, aquelas rodas bem fechadas e o cheiro inconfundível do couro preto, que bela recordação. Uma viagem para o Paraná a bordo de um Golf 2.0 praticamente 0km em 2002 com o mesmo tio também foi inesquecível…eu tinha apenas 10 anos e lembro dessa viagem como se fosse ontem, 180km/h na estrada e minha tia achando que estava a 120km/h, novamente os bancos de couro e lentes azuis dos retrovisores me chamavam a atenção. Esse mesmo tio me colocava sentado no teto de seu Fusca 68 com uns 3~4 anos de idade, era desesperador e emocionante. A paixão não é somente pelos carros em si, mas pelas experiências que eles nos proporcionam.

Porque escolheu este carro?

Na verdade ele me escolheu. Eu queria um carro maior que o então atual Ka XR (o que não é difícil) ele era um tesão de dirigir, andava muito, mas as óbvias faltas de conforto e espaço interno estavam me incomodando (compra por impulso é uma desgraça). Pesquisei alguns modelos e decidi que seria algum hatch médio, inclusive os de 2 portas. Novamente vagando pelo Flatout encontrei algumas matérias sobre carros legais até “X” valor, e quem estava lá? O bendito C4 VTR, comecei a pesquisar sobre ele, ler fóruns e opinião de proprietários, mas era apenas uma hipótese, nada concreto. Até que em uma bela manhã de sol um VTR preto me apareceu por um preço convidativo e pedindo um novo dono, não resisti, ele mexeu muito comigo e comprei. Racionalidade? Pra quê?

Como você acredita que nasceu este amor/paixão/admiração por este carro em especifico?

Foi um caso de oportunidade, sempre gostei do C4 Coupe (no exterior a sigla VTR se refere aos pacote de equipamentos). Comprei uma miniatura da Hotwheels dele quando era adolescente, hoje ela me serve de chaveiro do carro. O C4 me conquistou após a primeira viagem juntos. Bateu um certo arrependimento após a compra impulsiva e emocional, fixei a ideia de “dar um banho de loja”, revender e usar o dinheiro dele para outros fins. Nem preciso adiantar que desisti da ideia após alguns quilômetros de convivência.

Quais carros já teve antes do atual?

Tive um Peugeot 206 que foi o meu primeiro carro, uma VW Quantum toda original 1995 com direito a toca-fitas (e acreditem, aquilo funcionava) e um Pocket Rocket chamado Ford Ka XR.

O carro tem alguma alteração de motor e/ou estética!?

Apenas estéticas, hoje ele tem rodas originais aro 17 do Peugeot 408 e lâmpadas amarelas no farol de neblina. Continuará recebendo alguns mimos no visual.

Tem alguma pretensão maior de preparação de motor e/ou estética ou pretende deixar original!?

Estou satisfeito com o desempenho, não irei mexer em sua mecânica. Na estética virão mais alguns detalhes, dei prioridade para as manutenções preventivas/corretivas e a troca do conjunto pneus/rodas. Quando comprei o carro ainda estavam os pneus originais na traseira, nada seguro. A ansiedade de ver a Lasanha cheia de mods é grande, mas a funcionalidade fala mais alto.

Quais você considera os pontos fortes e fracos do carro?

Têm muitos pontos fortes: design diferenciado, desempenho, estabilidade, diversos dispositivos de segurança, amplo espaço interno, bom porta-malas, baixíssimo nível de ruído, posição de dirigir excelente (tenho 1,85m de altura e me encaixo muito bem nele), ótima ergonomia com porta-objetos pra todo lado, diversos itens de conforto e conveniência, acabamento caprichado. Os pontos fracos são o custo de peças específicas (acabamento e traseira), eletrônica meio chatinha, mas muita coisa se resolve com limpeza a base de limpa contatos e scanner específico para a linha PSA. Ele também é um tanto quanto largo, ótimo para o espaço interno sem apertos, péssimo para a minha garagem apertada, cada retrovisor passa a 2 dedos de distância do portão.

Como é o uso no dia-a-dia!? (Conforto, consumo, manutenção, desempenho, etc)

Uso pouco o carro, em 8 meses foram apenas 4.000km percorridos aos finais de semana e viagens, o comprei com menos de 69.000km e hoje está próximo de 73.000km, média de 500km por mês. O conforto a bordo é fora do comum, banco semi-concha com ótimo apoio, abraça muito bem o corpo e não escorrega, mesmo com o couro e ainda possui ajuste lombar, melhor que o de muita marca premium. O conforto só não é melhor por sua suspensão ser calibrada a favor da estabilidade. A manutenção está na média do segmento de hatch médio, como Golf, 307, Tiida, Vectra GT, etc, não são baratos de se manter, mas te retribuem com uma condução prazerosae vários itens a bordo. Sobre consumo considerem o motor 2.0 16v de 143cv, o peso beirando os 1.300kg e os largos pneus 225/45r17 (os originais eram borrachudos 195/65r15). Médias entre 7 e 8,5 km/l na cidade, na estrada a média fica entre 12 e 15km/l, neste caso costumo andar entre 80 e 100km/h com o ar-condicionado ligado, claro, sempre andando tranquilamente, no modo soviético os números mudam.

Como são seus gastos com o carro?

Manutenção preventiva básica como troca de óleo e filtros não é distante do que eu gastava no Ka XR e 206. De combustível vai em média 1 tanque por mês quando não viajo (60 litros). A primeira manutenção se resumiu a troca de óleo, filtros (óleo, motor, combustível e cabine), limpeza do sistema e troca do líquido de arrefecimento. A última fez um rasgo no bolso: troca preventiva da correia dentada e seus componentes, foi bastante trabalhoso e acompanhei o serviço de perto. Também foram trocadas as velas, a junta do cárter, óleo e filtro de óleo por tempo (6 meses).

Qual foi a viagem mais longa que já fez com ele?

O destino mais longe foi Campos do Jordão, interior de SP, foram quase 500km no total, sempre gosto de “perambular” pelas cidades próximas.

Como se portou durante a viagem?

Conheci o carro a fundo nesta viagem, eu iria vendê-lo, desisti da ideia e resolvi ficar ele. O carro se comunica muito bem com o motorista, a direção ganha peso conforme a velocidade, a suspensão firme transmite muita segurança, fora o silêncio a bordo, ouve-se pouco do motor e praticamente nada de vento, ótima aerodinâmica. Eu já falei sobre o que é esse motor acima de 3.000RPM? Um ronco delicioso e retomadas vigorosas, a estrada é seu habitat natural.

Ele já te deixou na mão? (Quebrar em algum lugar longe de casa/voltar de guincho pra casa) O que aconteceu?

Já me deixou na mão, e pra piorar logo nos primeiros dias. O carro simplesmente não ligava, tudo funcionava menos o motor. O levei com a ajuda de um guincho para o mecânico de confiança, a bateria estava ruim (o carro ficou um tempo parado antes de comprá-lo) e consequentemente desconfigurou o módulo central do carro, bastou reprogramar e trocar a bateria, sem mais surpresas desagradáveis desde então.

Quem é dono de um PSA sempre tem uma foto dele no guincho! E se não tem um dia vai ter!

Qual a melhor história que já teve com este carro!?

Difícil eleger apenas uma história: a compra impulsiva e emocional somente por foto foi uma aventura, a viagem para Campos do Jordão na qual ele participou de nosso ensaio pré-casamento, as correrias do dia anterior ao casamento (200km em apenas 1 dia somente dentro da cidade de SP), o primeiro encontro com a galera de grupos do C4, as fotos que recebo de VTR quando pessoas próximas encontram um deles na rua e continua…

E a pior?

A pior foi a da quebra, eu e minha esposa (noivos na época) iríamos trabalhar em um sábado de manhã e estava chovendo, fomos para outra cidade de trem com quilos de equipamento fotográfico nas costas, de quebra ao voltar pra casa meu celular caiu no chão de uma estação da CPTM e estourou o LCD. Claro que culpei o carro, praguejei horrores.

Pensa em algum dia trocar/vender este carro!?

Não costumo me apegar a carros a ponto de ficar longevos anos, o venderei em algum momento. Gosto de aproveitar o carro ao máximo e vendê-lo quando entender que “chegou sua hora”. É de longe o melhor carro que tive e ainda tem muito o que me proporcionar.

Se quiser, sinta-se a vontade para fazer um resumão do carro, coloque algo que não perguntamos, algo que você acredita que deva ser citado, algo que você acha que possa inspirar os próximos GearHeads! Valeu!

Falei bastante, o carro é excelente e o custo benefício imbatível. Agradeço o espaço para escrever aqui e encorajo os demais leitores a fazerem seus relatos sobre seus carros quando for oportuno. Valeu!

E por hoje foi só pessoal! Essa foi a história do João Paulo e seu C4 VTR. E se você quer participar do Carros da Galera é só mandar um e-mail para contato@amigosgearheads.com.br. Lembrando que o carro da semana sempre será a capa do nosso Facebook. Esperamos que todos tenham gostado e semana que vem tem mais! Para ler sobre outros carros que participaram aqui do carros da galera, clique aqui.

Todas as informações aqui veiculadas são de total responsabilidade do autor das respostas e elas não necessariamente representarão a opinião do Amigos GearHeads.