Fãs de BMW fizeram a única M3 F81 Touring do planeta e isso é fantástico

Existem certas coisas que são inexplicáveis. Por quê Gol trinca túnel? Por quê Marea explode? Por quê não temos uma versão perua? Nunca saberemos. Mas enquanto a humanidade for… a humanidade, sempre existirão soluções alternativas para um determinado problema.

A M3 E91 do 63NP

O usuário 63NP, nickname para Nick P., do fórum Bimmerpost é o dono da máquina e a primeira menção deste projeto encontrada na internet é do dia 29 de dezembro de 2017, onde o GearHead mostra a inspiração para toda essa empreitada. O mesmo foi dono de uma M3 da geração anterior na carroceria perua (E91), que ele mesmo fez junto do seu preparador, outro fã de BMW, mas o carro foi perdido num acidente.

Não foi possível recuperar seu projeto…

Ainda assim, o entusiasta da marca bávara não desistiu. Pelo contrário, o mesmo começou um novo desafio. Hoje nós vamos conhecer a primeira conversão de um Série 3 perua para um M3 perua.

…mas começar um novo tornou-se plenamente viável

O carro escolhido foi um 320i F31. Sim, a nomenclatura da BMW é bastante confusa, mas eu explico: a Série 3 da geração atual é chamada de F30, enquanto que a versão perua é chamada de F31. Porém, o M3 desta geração é chamada de F80. E é por isso que um improvável M3 perua seria chamada de F81, entenderam?

O 320d F31 foi transformado num M3 F81

Passadas as explicações, vamos às modificações. Os para-lamas traseiros foram alargados para abrigar as enormes rodas da M3 GTS, enquanto que o capô também veio da GTS. O interior recebeu volante em Alcantara da M-Performance e diversos elementos em fibra de carbono foram instalados no interior, tudo isso para recriar o ambiente da M3 mais próximo da perfeição.

Na primeira foto do M3 F81 o dono pede desculpas pelos pneus sujos, o emblema ausente e a altura do carro. Sim, segundo ele a perua estava muito alta nessa foto.

Mas de nada adianta todo um investimento no visual se o powertrain continuar o mesmo, correto? É claro que o motor Diesel de 193 cv a 4.000 rpm e 40,79 kgfm a 1.750 rpm caiu fora e deu lugar para uma usina de respeito. O seis cilindros biturbo chamado de S55 foi levado ao cofre da station wagon ao lado do câmbio DCT de dupla embreagem e sete marchas.

O conjunto mecânico teve de ser trocado por problemas

A primeira tentativa não deu muito certo. O conjunto mecânico era muito rodado e o câmbio não suportou o tranco. Ainda assim nosso guerreiro europeu não desistiu e continuou sua brava luta, comprando um novo câmbio e um novo motor. A partir daí as coisas começaram a dar muito certo.

O câmbio recebeu a reprogramação do M4 GTS, que é a versão mais esperta do cupê do M3. O capô também é do M4 GTS, assim como as rodas. O motor é do M3 mas recebeu um tempero extra. O conjunto de maldades incluem escape da M-Performance, intake da Eventuri feito em fibra de carbono e o remapeamento que levou o motor dos originais 431 cv a 5.500 rpm para 537 cv.

O torque não foi divulgado, mas claramente é superior aos 56,1 kgfm a 1.800 rpm que vêm no M3 de três volumes.

O volante é o mais completo disponível na linha M-Performance

O chão do carro veio da M3 mas os amortecedores, agora reguláveis, são da KW Suspension. O dono ainda afirma que o teto de fibra de carbono da M3 está nos planos, descartando a possibilidade para o teto panorâmico (because racecar).

Aquele detalhe que faz toda a diferença

O último update é do dia 8 de junho de 2018, onde o dono apresenta as saias laterais em carbono que o mesmo instalou em cerca de 15 minutos. Confira na galera abaixo mais algumas imagens deste projeto tão especial: