Lamborghini Aventador SVJ é o novo recordista de Nürburgring: será?

Há sempre do que duvidar quanto aos italianos de Sant’Agata Bolognese. Com o recorde do Porsche 918 Spyder de 6’57”, a Porsche se consolidou por um tempo considerável no topo dos carros de produção. Daí apareceu a Huracán Performante, fazendo o traçado de Nordschleife em 6’52,01. O vídeo, de certa forma fraudulento, acalentou os corações dos GearHeads a favor do V10 aspirado.

Huracán Performante, o V10 mais rápido de Nürburgring

Os alemães não deixariam barato. Com uma ofensiva sem freio, a resposta veio com a brutalidade do 911 GT2 RS em setembro de 2017, o Porsche de rua mais rápido de todos os tempos fazendo 6’47,3″ . Depois, em abril deste ano, com o novo 911 GT3 RS mais rápido que o 918 Spyder. O time de engenharia da fabricante germânica não estava pra brincadeira, pois um aspirado de 4 litros venceu o hypercar híbrido da marca, fazendo a volta em 6’56,4″. Por fim, no mês passado, veio o recorde absoluto do 919 Evo, fazendo 5 minutos e 19,55 segundos. Não era um carro de rua, mas encabeçar três tempos arrasadores parecia suficiente para manter uma certa tranquilidade em Stuttgart.

Conheça o Aventador SVJ, o novo V12 aspirado topo de linha da Lamborghini

E quando menos se espera, a Lamborghini respondeu com o Aventador SVJ. Mas qual a receita para chegar aos 6 minutos e 44,97 segundos num V12 aspirado e obsoleto? Antes das especificações confira onboard abaixo, que parece verídico:

A Lamborghini tem uma linha de superesportivos V12 um tanto quanto estranha. Primeiro veio o Aventador SV, versão ultra radical do seu carro topo de linha. Após isso veio o Aventador S, versão intermediária, com menos potência mas que apresentava um novo visual e o embrião do que seria o ALA da Huracán Performance. Falo do Aerodinamica Lamborghini Ativa, sistema que altera o fluxo do ar que perpassa a carroceria para gerar mais downforce no local exato. É estranho que uma versão tecnicamente inferior tenha sido lançada após o modelo mais absurdo. Talvez os italianos tenham percebido isso e resolveram fazer uma versão superior à SV.

O time de desenvolvimento da Lamborghini em ação

O SVJ, de Super Veloce Jota, indica que este é um carro ainda mais focado na pilotagem em pista. A relação peso/potência ficou em 1,98 kg/cv (o SV tem 2,03 kg/cv) e o sistema ALA chegou à versão 2.0. Há ainda melhorias na tração integral, no controle de estabilidade e no eixo traseiro direcionável, sem falar no chassi que está ainda mais rígido. A Lambo recuperou a nomenclatura Jota da Miura em sua versão mais extrema.

Marco Mapelli, o piloto da volta voadora

É interessante notar que no interior (e em partes da carroceria) há aquela mesma fibra de carbona disposta aleatoriamente que encontramos no Huracán Performante.

Olha lá a rollcage!

Os pneus são os Pirelli P Zero Corsa feitos sob encomenda, com os P Zero Trofeo R como opcional. Provavelmente o carro da volta rápida está usando o pneu ladrão. Além disso, é de se desconfiar que o carro do vídeo use uma gaiola. Será que o carro de rua receberá este mesmo acessório, ainda que como opcional? Se sim, é bastante válido que se use os recursos disponíveis em linha para bater o recorde de carros de produção. Mas se o carro de produção não receber o rollcage, o carro do vídeo não é um carro de produção. E eu não sei porquê as pessoas costumam confundir algo tão simples.

O eixo traseiro esterçante melhora a capacidade de devorar curvas

Os cálculos indicam que este carro possui menos que 1.525 kg e mais que 769 cv. Talvez você ache estranho a potência menor que os 800 cv do SV, mas lembre-se que cavalaria não é tudo. As modificações no sistema de aerodinâmica ativa, a redução de peso, o aumento da rigidez do chassi e o novo composto dos pneus são itens que podem fazer toda a diferença para o supercarro italiano. Sem falar no maior trunfo da atualidade, o eixo traseiro esterçante que aumenta a capacidade de fazer curvas sem aquele contra-esterço absurdo.

Os alemães que se cuidem

Ao que parece, o duelo de titãs não acabou. A Lamborghini acaba de pichar a sede da Porsche com os escritos “Acobou a Pas”, só que em italiano, obviamente. Resta saber qual será a ofensiva da escuderia de Stuttgart para retomar o trono.