Gol e Voyage 2019 ganham motor do Polo e câmbio do Golf

A dupla Gol e Voyage voltou a receber evoluções. Por mais que a frente tenha ficado bizarra, os faróis voltaram a ser de dupla parábola. O motor 1.6 de 120 cv, presente no Gol Rallye de 2014, voltou à cena. E o câmbio I-Motion, opção para quem queria mais conforto ao dirigir, finalmente foi substituído por um câmbio automático de verdade. Confira agora as novidades da linha 2019 de Gol e Voyage.

O Gol 2019 ganhou a frente da Saveiro e do Gol Track. Questionável.

Não há mais versões Comfortline ou Highline, então as coisas ficaram mais fáceis para quem quer comprar os carros de entrada da Volkswagen. O acabamento segue no nível da Trendline, mais básica na linha 2018, então nunca mais veremos aquele painel com o filete cromado de fora a fora. Mas ao menos a nomenclatura ficou muito mais simples; as versões agora são 1.0, 1.6 e 1.6 AT.

O modelo automático ganha o mesmo emblema do Polo

O motor 1.6 do modelo mais caro agora é o EA211 presente no Polo, mas com aquela calibragem que encontrávamos no Gol Rallye de 2014. Com construção em alumínio, partida a frio sem tanquinho de combustível e duplo comando de válvulas variável na admissão, produz 120 cv a 5.750 rpm e 16,8 kgfm a 4.000 rpm, enquanto que no Polo temos 117 cv e 16,5 kgfm. O 1.0 três cilindros segue o mesmo, com 84 cv a 6.350 rpm e 10,4 kgfm a 3.000 rpm.

O 1.6 manual de 104 cv permanece com a traseira inalterada

Mas quando você esperava que a VW mataria de vez o EA111, ela te surpreende: a versão 1.6 equipada com câmbio manual mantêm o jurássico propulsor na atividade. Os números são apenas razoáveis, 104 cv a 5.250 rpm e 15,6 kgfm a 2.500 rpm, suficientes para a condução diária. O legal é que ao menos as coisas estão simples, já que são três motores para três versões do carro. E isso vale tanto para o Voyage quanto para o Gol.

A novidade está na caixa automática, presente no Polo e Golf

A cereja do bolo está na versão 1.6 AT. O câmbio automático AQ160-6F é o mesmo encontrado em Polo e Golf, trabalhando com o tradicional conversor de torque. Funcionando com muita suavidade, a caixa conta com bloqueio do conversor de torque em diversas condições de uso, o que evita o deslizamento interno do componente, reduzindo o consumo de combustível. Sem falar que há trocas manuais pela alavanca ou por aletas atrás do volante (aprende, Ford) e o modo Sport, que eleva o giro nas trocas de marcha.

A maior novidade até aqui é que acabaram os trancos do I-Motion. E, pelo preço pedido, o Gol 1.6 AT tem o segundo câmbio automático mais barato do Brasil, perdendo apenas para a arcaica caixa de 4 marchas do Toyota Etios, e o mais barato disponível em terras nacionais com a função S do câmbio.

A cabine com câmbio manual e alguns opcionais fica assim

Tanto 1.0, quanto 1.6 e 1.6 AT têm os mesmos itens de série. Há ar-condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos dianteiros, travas elétricas com comando interno da aberta do porta-malas, desembaçador do vidro traseiro, conta-giros e limpador do vidro traseiro (exclusivo do Gol). Curioso é que há entrada USB para carregar o celular, o mas o rádio é opcional.

O volante segue o desenho do Golf e pode ser revestido em couro

Ao menos os opcionais são enxutos. Há o pacote “Urban Completo” e nele você já tem basicamente tudo o que é necessário, o que inclui rodas de liga leve de 15”, alarme keyless, retrovisores com ajuste elétrico, função tilt down, e luzes indicadoras de direção integradas, sensor de estacionamento traseiro, vidros elétricos traseiros, destravamento elétrico da tampa traseira com controle remoto, para-sol com espelho iluminado, farol de neblina, lanterna traseira escurecida, 2 luzes de leitura dianteiras e 2 traseiras e coluna de direção com ajuste de altura e distância.

O interior da linha 2019, com o Urban Completo, central Discover Media e câmbio automático

É possível escolher entre duas centrais multimídia, a Composition Touch e a Discover Media. Ambas vêm incluem o computador de bordo I-System e o volante multifuncional no pacote, contando ainda com 4 alto-falantes e 2 tweeters na coluna A. Há ainda entradas para cartão SD e USB, conexão Bluetooth e espelhamento da tela do celular através do Apple CarPlay, Android Auto ou Mirrorlink. O que muda de uma pra outra é que a Discover Media basicamente tem uma tela maior e sensor de aproximação.

As rodas de 15 polegadas são opcionais

O Gol 1.0 sai por R$ 44.990 enquanto que o Voyage custa R$ 52.640, ambos sempre equipados com a clássica transmissão manual de 5 marchas. Para quem quer mais potência e não faz questão do câmbio automático a opção fica entre Gol 1.6 ou Voyage 1.6, que custam, respectivamente, R$ 50.780 e R$ 56.640. Já a versão topo, a AT com motor de 16 válvulas, sai por R$ 54.580 no Gol e R$ 59.990 no Voyage.

A nova frente com o caimento do Voyage pareceu ainda mais indigesta

Demorou para tirar o motor EA111, de 8 válvulas, da versão topo de linha. Demorou para receber um câmbio automático de verdade. Demorou para o Gol voltar a ser o que sempre foi: competitivo. Resta agora saber como o mercado irá reagir.