O Isetta está de volta, agora com motor elétrico

Em 1953 a fabricante de motocicletas Iso lançou um carro para o pós-guerra na Itália, mas que ganhou o mundo. Distribuído também na Alemanha pela BMW, chegou ao Brasil através das Indústrias Romi dando passagem para o primeiro automóvel de passeio fabricado no Brasil.

O Isetta ao lado do Microlino

O Romi-Isetta não vendeu como um Volkswagen Fusca ou um FIAT Uno, mas se tornou um dos carros mais icônicos já produzidos em solo nacional. E se pensávamos que ele estava esquecido, nos deparamos com uma releitura equipada com motor elétrico para os tempos atuais.

O teto solar está presente em todas as versões

O novo “Isetta” é uma criação que não possui os direitos do modelo original, motivo este o qual faz ele levar o nome de Microlino EV, mas claramente se inspira nele ao possuir uma carroceria de apenas 2,43m de comprimento com acesso pela dianteira.

Tem mais porta-malas que seu Onix

A também italiana Tazzari ficou a cargo da releitura pois já produz um modelo elétrico, o Zero. A mesma compõe 50% da Microlino AG, empresa responsável por distribuir o Microlino EV.

O interior é bem parecido com o modelo da década de 50

O modelo promete ser racional sem ser espartano. Para isso temos algumas economias em sua construção utilizando, por exemplo, o motor de uma empilhadeira elétrica e a maçaneta do FIAT 500. E o interior não poderia ser diferente, contando com um banco inteiriço para dois passageiros e o volante com coluna de direção na porta.

Assim como o Smart, o Microlino EV pode ser estacionado perpendicularmente ao passeio. Ou seja, você pode estacionar o carro de frente para o passeio sem problemas. Isso, é claro, em países desenvolvidos. Curioso é que mesmo minúsculo ainda há um porta-malas maior que o do FIAT Mobi: são 300 litros de capacidade, um tapa na cara de muito hatch compacto.

Olha o tamanho desse porta-malas!

O motor é elétrico, conveniente à contemporaneidade, e gera 20 cv e 11,22 kgfm, ambos a 1 rpm. Isso faz o subcompacto chegar aos 90 km/h, bastante suficiente para um veículo citadino. Há modelos com bateria de 8 kWh ou 14,4 kWh, gerando autonomias de 120 km e 215 km, respectivamente.

O diferencial é exposto mesmo: because racecar!

O tempo de recarga deverá demorar cerca de quatro horas quando realizada numa tomada doméstica. No vídeo abaixo é possível ver alguns testes de frenagem do modelo na pista de Ímola:

Com preço a partir dos 12 mil euros, a Microlino AG espera vender 100 unidades no primeiro ano, entre 1.500 e 2.000 unidades em 2019 e 5.000 quando estiver com a produção estabilizada. Ao menos já existe público para a novidade, com mais de 7.200 encomendas do Microlino EV.