O ROVAL entregou tudo – NASCAR no AGH

O Roval entregou TUDO(Ainda estou empolgado!). Você lerá por aí que na F1, ocorreu mais do mesmo. Encontrará notícias comparando 2002 com 2018. E, se já não souber disso, Hamilton tem CINQUENTA PONTOS de diferença para Vettel. Se prefere ou também curte Motos, vai observar que De Rea (SuperBike) já é campeão e que Marquez brinca com a cara de todo mundo. Dias atrás, a IndyCar entregou um final morno. Quem sempre vai te oferecer espetáculo é a Nascar.

É simples: Dezesseis são separados para decidir o campeão. Tem três corridas e quatro são eliminados. E essa primeira rodada de eliminação foi realizada no Roval (RO de Road Course – VAL de Oval). Inteiramente novo, poucos treinos na pista, nada de grip na parte mista e a parte do oval utilizada sendo “quebrada” por uma chicane que meteu medo em todo mundo.

O desafio era enorme. Que acerto utilizar? Focar na parte oval? Me basear no misto? Em condições normais a prova já seria desafiadora. Mas o show é muito maior: Com a eliminação em vista, vários pilotos foram para o tudo ou nada.

A pole de Kurt Busch foi meramente marketing. O ritmo era muito forte para o #41. Logo Kyle larson, Brad Keselowski , Ryan Blaney, Martin Truex Jr , Chase Elliott e Jimmie Johnson se apresentaram como os melhores na pista. Porém as dificuldades, a falta de um “norte” técnico, os segmentos e suas pontuações extras, a falta de asfalto emborrachado na parte mista e a necessidade de alguns drivers obrigaram as equipes a utilizarem estratégias diferentes. Teve blefe no rádio, troca de dois pneus, quatro, nenhum, pouco combustível, muito combustível…

Kyle Larson levou o primeiro segmento e Ryan Blaney levou o segundo. Erik Jones se despediu da disputa. Hamlin também. Dillon viu no muro a chance do #3 ter um título improvável se esvair. E a disputa continuava intensa, com pilotos se revezando na liderança e suas estratégias e planos do cebolinha sendo tramados. Veio a amarela. Keselowski, garantido no próximo round, focou em ganhar. Já Larson, empolgado com seu desempenho, esquecendo que não estava garantido, foi na sua onda. Não parou. No restart , o #2 perde a freada e leva consigo Larson, Kyle Busch e mais uma penca. E a corrida que já era imprevisível, virou de cabeça para baixo.

De segundo lugar, brigando pela vitória, Larson viu sua classificação praticamente perdida. O carro destruído e seu rival direto pela vaga, Almirola, com um carro minimamente competitivo.  A relargada veio e lá na frente, Johnson e Truex Jr. brigavam pela vitória. Lá trás, Bowman, Almirola e Larson com o carro destruído brigavam pela sobrevivência.

Na última curva, no último momento, o clímax: Johnson tenta a ultrapassagem,perde o carro e atinge Truex Jr,a beira da linha final. Com o caminho livre, Ryan Blaney vem para vitória, selando uma vitória histórica, um final histórico e uma corrida histórica.

Fonte: Motorsport

Porém, o drama não havia acabado. Por conta de um carro coletado em um acidente, UM CARRO, Johnson perdeu a vaga e Kyle Larson, com o carro destruído e batendo no muro na ultima curva, conseguiu a classificação. Algo surreal.

Depois de suspiros e corações acelerados os classificados para o Round 12 são: Kyle Busch,um dos favoritos; Harvick,idem; Truex Jr completando a trinca que dominou o ano; Keselowski, com uma arrancada de vitórias no final do ano; Bowyer, forte durante a temporada regular mas que nos playoffs não mostrou nada. Seguindo, Logano, tão fraco quanto Bowyer; Kurt Busch, inesperado. Blaney, TOTALMENTE inesperado; Elliot, regular. Larson, candidato ao título;Almirola, que não sabe o que está fazendo ali e Bowman, que lutou até o fim.

Fonte: Motorsport

A próxima etapa é em Dover, a milha monstro e voltamos aos ovais tradicionais. Só que continua a dificuldade e o desafio: Quem passará para round 8?