Errar ou perder? – Pitacos F1

Se Vettel tinha alguma chance ainda de tentar levar o título desse ano, a Ferrari fez de tudo para que o alemão tivesse qualquer chance dizimada. Além de uma grande perca de desempenho os erros do time só dificultam a vida do piloto que tem que arriscar muito para conseguir trazer resultados positivos para o seu lado.

Apesar de Vettel e Ferrari continuarem no discurso de que não irão para o agora ou nunca, os movimentos e ações de ambos os lados mostram o contrário. Na classificação a única explicação plausível para que a Ferrari colocasse os pneus intermediários nos carros de seus pilotos era na esperança de que o circuito estivesse realmente molhado para tal feito, mas erraram feio e quem pagou o alto preço do erro foi Vettel que acabou largando na oitava posição e até por causa disso teve que partir sim para um tudo ou nada e arriscou na manobra em cima de Verstappen ao tentar ultrapassar o holandês em um ponto que não é conhecido por ser um local de ultrapassagem. O resto da história todos já sabemos, mas Vettel merece muitos elogios pela tentativa e não só por essa e por todas as outras vezes em que arriscou durante o campeonato. Por mais que ele esteja disputando o campeonato se relegar a um segundo lugar ou menos é pouco e Vettel sempre arrisca para conseguir algo melhor, o problema é que muitas de suas manobras tem saído errado mas isso pode acontecer com qualquer piloto e diminuir Vettel por isso é um equívoco muito grande.

Max Verstappen conseguiu aprontar das suas novamente e não falo do incidente com Vettel, onde ele foi o menos culpado nessa história, mas sim do toque com Kimi Raikkonen. O holandês acabou perdendo o ponto de frenagem na chicane e retornou a pista de qualquer jeito fechando a porta em cima de Raikkonen de maneira perigosa e acabou gerando um toque entre os dois. A punição de 5 segundos muito criticada pelos fãs pode até parecer meio injusta ou branda demais, mas em tempos de pilotos fracos e que pouco arriscam, dar uma punição mais severa acaba podando demais os pilotos que apenas querem correr.

O mesmo vale para Magnussem e sua pouco segura e arriscada defesa de posição. A manobra do dinamarquês em cima de Leclerc lembrou bastante a mesma manobra de Verstappen em cima de Ricciardo no grande prêmio do Azerbaijão só que menos caótica e tão perigosa quanto, só que o monegasco ainda tinha espaço para mudar sua trajetória e por mais que o toque pareça inevitável seria mais interessante continuar tentando a ultrapassagem do que apenas ficar reclamando pelo rádio.

Engraçado foi a McLaren que esqueceu de mandar para a Pirelli sua escolha de pneus para o GP acabou sofrendo o final de semana todo, não conseguindo fazer muitos testes e tendo seu cronograma afetado pela baixa quantidade de pneus mais macios e acabou tendo uma corrida muito fraca. Mais interessante é ver Alonso sendo punido por ganhar vantagem quando em um toque com Stroll (também punido) teve de cortar caminho na última chicane.

O desempenho da Renault foi novamente pífio, Hulkenberg abandonou ainda no início da prova e Sainz conseguiu terminar apenas na décima posição sem fazer muita coisa durante a corrida. A essa altura, Ricciardo deve estar muito preocupado para 2019.

O que sobra agora para este fimde temporada é saber se Hamilton será penta nos EUA ou no México e se podemos torcer por algo é que a “decisão” pelo menos venha no Brasil e Hamilton ganhe o penta no mesmo palco de seu primeiro título, há 10 anos atrás.

Em uma volta de carro com vocês, falamos um pouco do que aconteceu no GP do Japão e da briga Hamilton x Vettel além de mais assuntos polêmicos do momento. Acompanhe esse passeio GearHead no Youtube.